domingo, 30 de junho de 2013


Pode comer no Mc :)

Liquidação de roupas na Alô Bebê

Tive sorte porque herdo as roupinhas de bebê do meu sobrinho Breno e dos filhos das minhas primas, que ajudam muito  ! Daí compro as roupinhas mais transadas para sair e uma ou outra que acho bacana, mas no geral meu bebê usa roupas doadas e também repasso as do meu para outros e assim a roda da solidariedade não pára. 

Essa loja ALÔ BEBÊ liquida duas vezes por ano o seu estoque. Liquidação de inverno e verão. É uma liquidação real. Desconto de 40% no valor da etiqueta para roupas e 30% para calçados. Fora dessas liquidações eu não compro nada lá porque apesar da qualidade, a maioria das roupas é cara. Então faço assim: Duas vezes por ano, vou lá e compro as roupas para o ano seguinte. Nessa última liquidação comprei roupas de inverno para o ano que vem e fiz um ótimo negócio. 

Algumas coisas que comprei: 











Adoro achados com coisas boas de qualidade e com preço justo e, assim, descobri a loja ASCONA no Brás que vende roupas com muita qualidade e preços bons. Outro dia fui lá e comprei blusas de manga longa 100% algodão por 9,00 ! Agora eles montaram uma loja virtual, mas ainda está bem no começo (Se quiser dar uma olhada CLIQUE AQUI)


domingo, 23 de junho de 2013

ESCONDIDINHO DE FRANGO


ESCONDIDINHO DE FRANGO DA LARISSA


[O arroz fica alaranjado porque coloco cenoura ralada. Delícia]

Comece pelo recheio de frango: Frango desfiado temperado com alho, cebola, pimenta do reino + azeitonas verdes + 1 caixinha de creme de leite + catupiry. 

Purê de batatas: Faça um purezão e divida em duas partes. Na que vai como base do escondidinho acrescente 2 colheres de farinha de trigo. 

Montagem: Purê de batatas com farinha, depois recheio de frango, depois purê de batatas sem farinha e como que sobrou do catupiry faça uma cobertura. 

Leve ao forno até o catupiry ficar moreninho e está pronto !

Muito fácil de fazer. 







Alimentação !

De verdade acho um porre contar pontos, calorias, dieta das proteínas, low-carb. Acredito que a longo prazo não funcionam. O cardápio, que no meu caso, surte efeitos e não sofrimento é comer pouquinho de tudo e usar o com senso. Quando sigo essa regra as coisas acontecem e não fico naquele drama de comer só o que as dietas convencionais autorizam e que os endocrinologistas me indicavam e nunca funcionou. Estou numa fase muito boa, regrada e com resultados positivos. Todos os dias me peso (não recomendo) e anoto. Minha alimentação consiste em três refeições: 

Café da manhã: Duas fatias de pão integral + Iogurte + Fruta. 

Almoço: Arroz + feijão + salada verde + proteína + (complemento do dia) 

Jantar: Idêntico ao café da manhã.

Fica mais fácil controlar a alimentação e viabilizar a continuidade. 


E aliado a isso: caminhadas :) No meu caso, dá resultado. 


Agora cozinho para a Família, o que exige muito mais força de vontade para não cometer abusos. 




Será que fica bom ? 

sábado, 22 de junho de 2013

FESTA JUNINA

Lá no meu trabalho tem festinhas com gostosuras sempre. A última foi a junina e me comprometi a não ultrapassar os limites do razoável. Deu certo ! Fui sem tomar café da manhã e com mini lanchinhos com pão de leite e um pedaço do meu BOMBOCADO. Ufa!

quinta-feira, 20 de junho de 2013

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Lindo.

Li na Folha hoje. Lindo. Por isso tiro fotos de tudo. Da vida real. Cada momento é único.



ANTONIO PRATA
Recordação
'Não faz sentido, pra que que a pessoa quer gravar as coisas que não são da vida dela e as coisas que são, não?'

"Hoje a gente ia fazer 25 anos de casado", ele disse, me olhando pelo retrovisor. Fiquei sem reação: tinha pegado o táxi na Nove de Julho, o trânsito estava ruim, levamos meia hora para percorrer a Faria Lima e chegar à rua dos Pinheiros, tudo no mais asséptico silêncio, aí, então, ele me encara pelo espelhinho e, como se fosse a continuação de uma longa conversa, solta essa: "Hoje a gente ia fazer 25 anos de casado".

Meu espanto, contudo, não durou muito, pois ele logo emendou: "Nunca vou esquecer: 1º de junho de 1988. A gente se conheceu num barzinho, lá em Santos, e dali pra frente nunca ficou um dia sem se falar! Até que cinco anos atrás... Fazer o que, né? Se Deus quis assim...".

Houve um breve silêncio, enquanto ultrapassávamos um caminhão de lixo e consegui encaixar um "Sinto muito". "Obrigado. No começo foi complicado, agora tô me acostumando. Mas sabe que que é mais difícil? Não ter foto dela." "Cê não tem nenhuma?" "Não, tenho foto, sim, eu até fiz um álbum, mas não tem foto dela fazendo as coisas dela, entendeu? Que nem: tem ela no casamento da nossa mais velha, toda arrumada. Mas ela não era daquele jeito, com penteado, com vestido. Sabe o jeito que eu mais lembro dela? De avental. Só que toda vez que tinha almoço lá em casa, festa e alguém aparecia com uma câmera na cozinha, ela tirava correndo o avental, ia arrumar o cabelo, até ficar de um jeito que não era ela. Tenho pensado muito nisso aí, das fotos, falo com os passageiros e tal e descobri que é assim, é do ser humano, mesmo. A pessoa, olha só, a pessoa trabalha todo dia numa firma, vamos dizer, todo dia ela vai lá e nunca tira uma foto da portaria, do bebedor, do banheiro, desses lugares que ela fica o tempo inteiro. Aí, num fim de semana ela vai pra uma praia qualquer, leva a câmera, o celular e tchuf, tchuf, tchuf. Não faz sentido, pra que que a pessoa quer gravar as coisas que não são da vida dela e as coisas que são, não? Tá acompanhando? Não tenho uma foto da minha esposa no sofá, assistindo novela, mas tem uma dela no jet ski do meu cunhado, lá na Guarapiranga. Entro aqui na Joaquim?" "Isso."

"Ano passado me deu uma agonia, uma saudade, peguei o álbum, só tinha aqueles retratos de casório, de viagem, do jet ski, sabe o que eu fiz? Fui pra Santos. Sei lá, quis voltar naquele bar." "E aí?!" "Aí que o bar tinha fechado em 94, mas o proprietário, um senhor de idade, ainda morava no imóvel. Eu expliquei a minha história, ele falou: Entra'. Foi lá num armário, trouxe uma caixa de sapatos e disse: É tudo foto do bar, pode escolher uma, leva de recordação'."

Paramos num farol. Ele tirou a carteira do bolso, pegou a foto e me deu: umas 50 pessoas pelas mesas, mais umas tantas no balcão. "Olha a data aí no cantinho, embaixo." "1º de junho de 1988?" "Pois é. Quando eu peguei essa foto e vi a data, nem acreditei, corri o olho pelas mesas, vendo se achava nós aí no meio, mas não. Todo dia eu olho essa foto e fico danado, pensando: será que a gente ainda vai chegar ou será que a gente já foi embora? Vou morrer com essa dúvida. De qualquer forma, taí o testemunho: foi nesse lugar, nesse dia, tá fazendo 25 anos, hoje. Ali do lado da banca, tá bom pra você?"

Lindo.

Minha foto de ontem da vida real: Assando um bolo ...


terça-feira, 4 de junho de 2013

Diversão !

No Pinterest encontrei ideias sensacionais de atividades para professores ensinarem seus alunos. Gostei tanto que passei a colecionar e quando meu bebê chegar nesse estágio teremos um montão de coisas legais para fazer. A educação será divertida, lúdica e não chata e desinteressante como foi a minha. Ele vai gostar.












Que casa feliz essa (Minha cara) e essa no balanço poderia ser eu:


sábado, 1 de junho de 2013

Sorocaba nada light !

Fomos para Sorocaba (Eu, Paula e nenê)  e comemos a melhor coxinha de todos os tempos, a coxinha da Padaria Real. É bem boa, viu ? Depois do salgadinho purpurinadíssimo fomos conhecer o maravilhoso Zoológico de Sorocaba e fomos surpreendidos com o lugar: cheio de árvores, possibilidade de ver os bichos bem de pertinho, pouca gente, preço bom e ambiente super agradável. Dá vontade de voltar sempre ! Programa perfeito: A melhor coxinha com um super Zoológico. Gostei mais que o de São Paulo. Não é muvucado. E o povo sorocabano é de um simpatia que só vendo ! 

Coxinha: R$ 4,80
Zoológico: R$ 5,00

Recomendo !