sexta-feira, 18 de março de 2011

Gordo é o novo preto (Léo Jaime)

Gordo é o novo preto, por Léo Jaime.

Quando Felipe França aqui desembarcou com 3 medalhas, uma de ouro e duas de bronze, vindo do último campeonato mundial de piscinas curtas, o que se comentava era seu peso. Com 100 KG e 14% de percentual de gordura ele era mais do que um grande atleta: era a prova de que condicionamento e forma física não são necessariamente a mesma coisa.

Tenho os mesmos 14% de percentual de gordura. Ao longo dos anos fui aumentando de peso sem aumentar o percentual. A barriga cresce e é lá que guardo a perigosa gordura visceral. Estou sempre lidando com esta questão médica, e chata, mas tenho me mantido em forma e aumentado o peso magro, ou seja, adquirido músculos com muito exercício. Portanto, posso dizer que estou bem condicionado. Dito isto, vamos ao real incômodo da minha condição. Chega de me justificar. Detesto fazer isto.

Ao longo dos anos ouvi, e ainda ouço, inúmeros “nãos” profissionais com a justificativa de que minha aparência não é boa, preciso perder peso, pareço decadente etc. Passei 18 anos sem gravar um CD com minhas composições, e percebi que ninguém se interessava em sequer ouvir as novas canções. Embora eu já tivesse emplacado várias no nosso cancioneiro, parecia que estava claro para todo mundo que a minha barriga tinha substituído o meu talento. Curiosamente o público nunca acreditou nisso e continuou a me tratar com carinho. Durante este tempo todo! Coleciono mais sucessos que fracassos em tudo o que fiz no teatro, shows, TV, rádio ou em textos publicados na imprensa ou divulgados na internet. Considero ter conseguido vencer a resistência, mas não posso negar que ela exista e é muito forte. “Nadando contra a corrente, só pra exercitar”...

Voltando ao início: se um atleta pode ser medalha de ouro estando “acima do peso” seria correto dizer que existe um “peso” ideal? Nas olimpíadas os atletas têm os mais variados tipos físicos e, sim, alguns são “gordos”. Mas vamos olhar por outro ângulo.

Quando a adolescente lourinha matou os pais a pauladas em São Paulo, o comentário mais ouvido era “Como foi que uma moça tão bonita fez uma coisa dessas?” Como se gente bonita não matasse ninguém. Claro, os comerciais de TV só mostram rostos perfeitos, e todo mundo entende que são pessoas perfeitas. Será? Quando vi pela TV os bandidos fugindo da Vila Cruzeiro para o Complexo do Alemão não me lembro de ter visto um bando de gordinhos. Eram até bem atléticos e “magros”.

O título deste artigo se refere a um movimento americano, “Fat is the new black”. Repare que a tradução não é “o novo negro” mas sim “o novo preto”. É uma expressão do mundo da moda: o novo preto é aquilo que parece ser a óbvia boa escolha; o que não tem erro: o pretinho básico. Ainda que seja óbvia a sugestão de que gordos são, para muitos, “the nigger of the world”, o que o tal manifesto combate ferozmente.

A maior parte da população do mundo está acima do “peso”, se é que existe um “peso”, e todos vamos ter que nos adaptar a esta realidade. Todos são ou vão ser gordos, ou gostar de um gordo, ou admirar um gordo, ou ter prazer com um, seja em que nível for. Conviva com esta ideia, amigo ou amiga. Não são os bonitos os que vão lhe dar prazer mas aqueles que querem lhe dar prazer e vão se esforçar para que você se dê conta disto. E, acredite, portadores de deficiências, magrinhos, carecas, altos, baixos, estão todos no páreo. O desejo transcende a forma. Beleza é uma coisa, gostosura é outra.

Neste manifesto (fat is the new black) americano há uma série de perguntas do tipo: você diria a alguém “Olha, você até tem um rostinho bonito, só precisa engordar uns quilinhos. E você sabe muito bem como, não é? É só ter um pouco de vergonha na cara”? Não diria. Por que, então, dizer o contrário parece razoável? E nem chamaria o Keith Richards ou a Amy Winehouse de decadentes porque eles andam muito magros. Talento, voz, criatividade, profissionalismo, nada disso tem a ver com peso ou aparência física. Será difícil entender isto?

Há um grande, um enorme preconceito. Este sim está muito acima do peso. E parece que o preconceituoso professa sua maledicência com a generosidade dos santos: é para o seu bem! Uma ova! O preconceito contra os gordos é o único tolerado hoje em dia. Ou contra os feios, vá lá! Está claro que, ao contrário do que a arte, através dos séculos estabeleceu, a partir de 1968 (com Twiggy) ser magricela é que é o tal. As formas arredondadas foram para o brejo depois de 25 vigorosos e rotundos milênios alimentando desejos e fantasias da alma humana.

Elvis é um dos meus heróis e eu prefiro sua fase mais madura. Quando diziam que ele estava decadente, embora cantasse como nunca. Um dia desses uma criança mal-educada quis ensinar ao meu filho que as pessoas ou eram magras ou eram gordas, e as magras eram melhores. Ainda bem que ele esqueceu em um segundo. Quando meu filho olha para mim vê o que eu sou para ele. Quando meu público olha para mim, acontece a mesma coisa. E o resto? O resto que vá para o inferno.

Eu digo que pra mim existem dois tipos de mulher: as que gostam de mim e as outras. E juro que as que gostam de mim são muito mais interessantes. Mulheres, parem com essa obsessão de perder dois quilos! Homens gostam de mulheres companheiras, bem humoradas e boas de cama. Homens, atenção! Quem repara demais na celulite das moças acaba preferindo bunda de rapaz. Não que eu tenha algo contra isto. Cada um que descubra o que lhe apraz.

Brincadeiras à parte, deixe-me concluir. Não é preciso aceitar, mas tolerar. Eu é que não sei se tenho estômago para tolerar esse preconceito. Por exemplo: ver o Ronaldo Fenômeno chorar ao despedir-se cortou-me o coração. Seu corpo não o venceu, o preconceito sim. Aturar anos de humilhação é duro até para os heróis.

Pin It now!

37 comentários:

Natália disse...

Adorei o texto, muito inteligente e real. O preconceito esta diante de nossos olhos, convivemos com ele, e o que é mais triste é que ainda fechamos os olhos para certas coisas.

Patinha Feia Nunca Mais disse...

Nossa amiga o post faz refletirmos muito sobre a vida. É uma pena que as pessoas continuam a admirar as outras pela embalagem.
Um grande beijo e uma ótima sexta!!!

Dri disse...

O melhor mesmo é a pessoa se sentir bem e satisfeito com seu corpo. Se está bem, gordinho/magrinho, é o que importa; se não temos que nos esforçar e melhorar. Nada de agradar a outrem sem se agradar primeiro. Adorei o texto do Léo Jaime e estou agradecida por ter tido acesso nele pelo seu blog. Bom final de semana! :D

Michele K disse...

Léo Jaime rrasou!

Gabriela disse...

Adoro ainda mais o Léo Jaime ! Já assistiu "Amor e Sexo", ele faz uma participação tão legal, tem ótimo humor !!! Bjs

Pérolla Yara disse...

Nossa, perfeito o texto!! Inteligente e muito verdadeiro.
A questão acredito que é se sentir bem e ponto.
Um ótimo final de semana!bjo

Ana Lúcia disse...

Me desculpe, mas achei a comparação mto imbecil e superficial.
Uma coisa não tem absolutamente nada a ver com a outra, as origens e as consequencias dos preconceitos são completamente distintas.
Titulozinho de efeito pra ganhar ibope pro autor.
Nada contra seu blog, pelo contrário.
#prontofalei.

Anônimo disse...

Olá Larissa...
Nossa gostei muito... acho q vou mandar essa parte para o rapaz q te cotei, q tínhamos tudo para dar certo... mas...
vou mandar essa parte..."Homens gostam de mulheres companheiras, bem humoradas e boas de cama. Homens, atenção! Quem repara demais na celulite das moças acaba preferindo bunda de rapaz. Não que eu tenha algo contra isto. Cada um que descubra o que lhe apraz."
apesar q não quero mais falar com ele... acho q isso só me magoaria mais...

bjssss e to firme e forte... já foram 5 kilos em 2 semanas

Lyane disse...

Muito bom o texto! Dá uma passadinha no meu blog. beijos.

Sorella disse...

Muito bom o texto,
Mais infelizmente o preconceito existe e não adianta nega, precisamos somente de respeito.

Cha disse...

Oi larissa, jóia?
Adorei o texto, passo por diversas situações chatas por ser gorda, inclusive com pessoas mto próximas a mim...
Tomei a liberdade de copiar o texto e enviei p toda a minha lista de contatos no e-mail.
um bj

Anônimo disse...

mto bom o texto! lembro q tinha uma amiga q uma vez disse "quem foi q disse q todo mundo tem q ser magro como um lápis?" e é verdade.
Mas mesmo assim EU continuo precisando perder uns 7 kg! kkkkkkkk

Aline M. Fialho disse...

Adorei o texto e publiquei tambem...
Bjs

Luiza disse...

Isso tudo é muito delicado..
Ao mesmo tempo que vc tenta emagrecer, pois saudável vc já está, publica um texto assim.
Não é possível permitir a glamurização do gordo assim como a do magro excessivo.
Uma coisa é ser gordinha e saudável, outra bem diferente é ser obesa(querer o título de gordinha) e ter diabetes, hipertensão e etc.
Nenhum preconceito é justificável, mas a noçao deve ser de saúde apenas.

Katia Jujuba disse...

Maravilhoso esse texto do Leo Jaime!
E é bem verdadeiro... é bem assim que as coisas estão hoje em dia... se a pessoa está gorda, acham que ela não serve (seja para o que for)... Muito triste isso...

beijos

Amira Saleh disse...

Não há nada ao que acrescentar no texto do Léo Jaime.
Gostei bastante!
Bjos

Carol Prestes disse...

Pra mim soa muito como desculpa de gordo que nao quer emagrecer.

Quando ele diz que tem os mesmos 14% de percentual de gordura do atleta esta' mentindo, basta ligar terca-feira no Amor e Sexo.

Boas sao as reflexoes dos comentarios...como sempre este blog arrasa!

Bom final de semana, linda!

Perla disse...

Maravilhoso texto...
Vou divulgar no meu blog...
Sabe, você nem imagina quem sou eu... rss mas saiba que seu blog me inspirou e me inspira muito... Foi um dos poucos blogs que me incentivaram a criar o meu... Parabéns... Ah, preciso perder 15 kg... mas tá difícil...
Beijos,

Regiane Ivo disse...

Gostei! Ser gordinho é o novo preto sim. Ele está falando daqueles que destoam do ideal de beleza, e a magreza entra na história do mesmo jeito que quem tem olhos azuis é considerado mais belo do que quem tem olhos castanhos, ou que ser loira vai chamar mais atenção.
O texto dele tá direcionado para o que ele enfrente que no caso é o excesso de peso, porque infelizmente no Brasil as pessoas tem um preconceito velado aos gordinhos. Onde tá escrito que para ser bem sucedido não pode ser gordo?
Eu preferiria o titulo assim "Ser você é o novo preto" assumir aquilo que você é, melhor aquilo que você não gosta independente do que a sociedade diz. E ser muito, muito feliz.

Anônimo disse...

Irretocável!!! Um texto cheio de ritmo e leveza. Pra mim, a tradução do que todos que estão acima do peso sentem.



Karine Pimenta
kpf_eng@hotmail.com

Bruxa do 203 disse...

É difícil encontrar um equilíbrio. Preconceito é horrível, o cara não lançar discos porque tem uns kilos a mais é revoltante. Ao mesmo tempo, ver pessoas na praça de alimentação comendo kilos de macarrão misturado com arroz e feijão também não é nada saudável.

Maria disse...

Te acompanho desde o comecinho e nunca comentei aqui. Mas hoje, depois de ler esse texto, preciso dizer algo.
FANTÁSTICO! Pena que estamos tão condicionados a querer a magreza. Admiro mais ainda o Leo Jayme.
Bjos

Cinthia Oliveira disse...

Léo Jaime disse tudo...
Abraços

Anônimo disse...

Oi larissa Te acompanho sempre desde o dia em li uma reportagem sobre vc! Torço por vc e me inspiro em sua garra pra seguir em frente tambem!! forte abraço .. Joice Lemes

Giovanna disse...

Pura verdade

Patricia disse...

oi Larissa, adorei o texto do Léo Jaime, infelizmente até quem consegue vencer a balança, emagrecendo muitos quilos, leva a dor e as cicatrizes na alma, do tempo que era gordo, claro que gente sabe que a obesidade trás problemas sérios, mais o padrão de beleza tb é muito cruel... Que busqemos o meio termo e o equilíbrio bjs e bom fim de semana!

Maria disse...

Concordo com o Léo, mas em relação ao Ronaldo não é bem assim....
Iniciei uma vitoriosa RA no dia 11/01/11 e eliminei somente comendo direito 8,200kg, e em minha visita anual à endocrinologista (estava passando muito mal também)foi constatado que minha tireoide estava "parada".Há 13 anos tenho hipotireoidismo e minha médica sempre fala que o que engorda é a comida.Sinceramente um atleta falar que tem a doença e não podia tomar a levotiroxina (que é absolutamente liberado)e sofreu durante 4 anos me fez pensar que é uma farsa e ele come é muito.Estou firme em meu propósito e todos os dias passo aqui, pois sinto algo de positivo e real.Parabéns Larissa, torço por você!um abraço,
Maria

Anônimo disse...

Eu sempre fui magra e engordei, sofri com as pessoas apontando e se espantando com como eu estava gorda. Eu entendo a revolta com o preconceito. E acho válida a preocupação em não se ater a "embalagem" da pessoa e sim ao "conteúdo". Mas de fato, emagrecer não é uma questão de estética e sim de saúde. Muitas doenças como diabetes e problemas cardiovasculares estão ligados a obesidade, então vamos receber as críticas pela nossa gordura como um incentivo em buscar um peso saudável para que tenhamos uma vida com mais qualidade.

*Drê* disse...

Ele deve estar muito indignado para conseguir expressar num texto o sentimento de tantas pessoas.
Eu vejo muita paixão no que ele escreveu, mais que um desabafo é um cutucão nos preconceituosos.
bjus sempreeeee.

angelica js disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
angelica js disse...

Olá Larissa,adorei o texto achei bem original, realmente pessoas acima do peso sofrem muito preconceito.Adoro o seu Blog, sempre visito,visito tanto que tive a ideia de fazer o meu blog, para mim vc é uma inspiração de força e vitoria, nessa caminhada dificil que é o emagrecimento, te acho uma vencedora!

Ailsa Melo disse...

Adorei o texto ,assim como adoro o Léo Jaime,jamais esqueci suas músicas maravilhosas que fizeram parte da minha adolescência.Beijos!!!!!!

Camila Botelho disse...

obrigada, precisava ler isso hj! tem dias q preciso ligar o foda-se e ser feliz, não posso esperar emagrecer 12kgs p ser feliz, preciso ser hj. Bom dia!

Eliane disse...

Falou tudo Léo!Genial!Infelizmente hoje o que vale é a aparência, conteúdo é o de menos. A sociedade perde muito com o preconceito de não oferecer oportunidades às pessoas gordinhas .Até parece que toda pessoa magra é saudável, principalmente aquelas que fumam para não engordar, preferem manter um corpinho bonito por fora e todo estragado por dentro...haja paciência!!!..

Maria Clara Villas-Bôas disse...

Oi, Léo! Eu estava assistindo ao programa "Sem Censura" quando o ouvi falar sobre ser gordo. Corri então para internet à procura de seu texto. Sou professora de Língua Portuguesa e pretendo trabalhar "Gordo é o novo preto" com minhas turmas. Obrigada!

Anônimo disse...

Gente, o Léo Jaime está igualzinho aquele dinossauro de um desenho animado que eu assistia quando era criança, aquele que dizia: "Querida, cheguei!", até a expressão facial é igual. Como é que ele foi engordar tanto assim?

-Erika Grudun Wirz

Anônimo disse...

O Léo Jaime está no programa errado. Faria mais sucesso no "Globo Rural". Eh,eh, eh...