quarta-feira, 15 de maio de 2013

Emagrecimento X Ansiedade X Fuga

Há 15 dias retomei a alimentação sem exageros, como deve ser (A cada dia fica mais fácil o novo hábito). E me sinto tão melhor. Vejo gordurinhas marcantes indo embora, o que me deixa mais contente e persistente a continuar. Quando passo a ver o emagrecimento com um dos problema solucionáveis da vida, sinto um grande alívio. Ufa. Esse eu posso enfrentar.

Há tempos atrás disse que não sabia a causa da minha engorda, mas agora depois de todo esse tempo, finalmente, descobri: Fuga para amenizar a ansiedade diante da vida. Uma válvula de escape. Alguns usam drogas, outros bebem e eu comia. 

A"terapia" inadequada e inconsciente de comer, resultou em problemas maiores, bem maiores. Deixei de viver a vida. Isso é forte, mas aconteceu. E algo que me deixa puta da vida é saber que o emagrecimento não leva junto todas as cicatrizes da obesidade. Aquilo que só quem foi ou é obeso sabe. Não falo de ter 10 quilos acima do peso, mas ter 40-50. Imagine só. 

Bom ver o emagrecimento, dessa forma, como um problema SÓ SEU que deve ser enfrentado, se te incomoda, é claro. 

No momento. Tenho quatro problema a serem enfrentados.

(1) Emagrecimento;
(2) X:
(3) Y:
(4) Z.

O primeiro depende SÓ de mim, sem influências externas. Os demais, o universo precisa conspirar para a resolução, risos. 


Então, pensa assim: EMAGRECER DEPENDE DA NOSSA PERSISTÊNCIA. 









Pin It now!

18 comentários:

And disse...

Eu estava precisando ler esse post hoje...obrigada!!
Te acompanho há tempos, mas só hoje comentei.
Sucesso na sua caminhada e que Deus te ilumine.
Bjs!!

Anônimo disse...

Oi Larissa!! Vim aqui pegar um pouco de motivação. Adoro!
É verdade, depende somente de NÓS.
Eu cansei de estar gorda e chegou a hora de emagrecer mesmo.
É isso ou a infelicidade. Eu estou fazendo diferente de você e radicalizei
na dieta para depois reeducar. Enfim, estou muito bem e consciente de minhas
mestas. "A perda de peso é o meu destino" (rs,rs).
Mas, você acredita que perdi 18 kilos (tinha 110 kg e estou com 92kg) e
simplesmente ninguém fala nada? Somente meu marido e minha mãe
falam, elogiam e tudo mais. As outras pessoas de meu convívio não falam
nada. Então penso que se enquadra no que falou, pois é muito motivante
receber elogios, ver que as pessoas de fora notam seu emagrecimento e
quando isso não acontece dá até tristeza. Realmente o emagrecimento
só depende da gente em todos os sentidos. É mente e atitude porque
senão, se ficarmos esperando que venha alguma ajuda de fora,
corremos o risco de ficarmos insatisfeitas e infelizes com nosso
próprio corpo para sempre. Um beijo grande.Dulci

Pretinha Blasi Gomes disse...

Como sempre digo: Seu blog é essencial... Continuo na minha luta...

Mirian Ficagna disse...

Inspiração total, Lari. Obrigada. Bjo

Anônimo disse...

Oi Larissa!
Esta semana estava pensando justamente nisso, em que a única, realmente única coisa que podemos controlar na nossa vida é o que comemos, a escolha final é sempre nossa. Essa noção de controle afastou um pouco da minha ansiedade que é gigante, e geralmente aplacada com... comida! Difícil, né?!
E nesse caminho temos de nos redescobrir, reprogramar nossa mente para lidar com tanta coisa que só quem passa por esta situação sabe como é...
Desejo boa sorte à vc e a todas nessa jornada, e agradeço de coração por compartilhar sua vida conosco, faz um bem danado saber que nossos medos e dificuldades são vividos por outros também (falo isso pois vivi sempre cercada de amigas magras, que não fazem a menor ideia de quão complicado é hehehe).
Um beijo e muita saúde a vc e aos seus!
Gi.

Rachel disse...

Estou nesse mesmo pensamento, Larissa!!! Sucesso

Jacki disse...

É verdade, o emagrecimento só depende de nós! E até mesmo os problemas X, Y, Z há alguma coisinha que pode ser feita por nós. Beijos

Cláudia disse...

Lari, eu aprendi a duras penas que existem coisas que a gente pode mudar. Mas, infelizmente existem outras que não mudam. E aí? Aí, a gente se adapta para não sofrer mais. Quando depende só da gente é uma coisa, mas quando envolve o outro... Ai, ai, ai... Enfim, é a vida. Já pensei que a minha é muito sal e pouca água, mas analisando bem direitinho, tudo poderia ser bem pior.
Mega beijo!

Gabi disse...

Larissa, estou na mesma que você. Tenho uma filha pequena, estava magra, engravidei, engordei e não conseguia sair dos 68 (longos e eternos) kilos. Voltei a realidade, fui numa nutricionista, me inscrevi na academia, fiz meu marido, mãe, irmã, sogra, etc. me ajudarem nesse processo de emagrecimento. Deu certo, cheguei as 62 kilos. Luto ainda para chegar aos 57, mas desencanei. Qualquer coisa que me tire do sério eu desconto na comida. É uma triste realidade. Semana passada chorei, briguei, morri de gastrite, e o que eu fiz, COMI. Mas voltei pra realidade, vou no médico semana que vem, pra ver se ele me passa alguma coisa pra diminuir essa infeliz ansiedade. Boa sorte. Eu te adoro muito. Fique firme. Gabi Braga

Larissa disse...

Até os gordinhos de 10 kg a mais como eu sofrem muito por achar que na comida existe uma solução para os problemas. Triste, mas verdadeiro.
Algo que exige MUITO mais que apenas dieta ou reeducação alimentar!


:(

Nádia Galdino disse...

Sobre esse assunto (ansiedade), tem um livro muito legal que eu comecei a ler, "Dieta das emoções" (http://livraria.folha.com.br/catalogo/1184135/dieta-das-emocoes): não cheguei à parte da "dieta" propriamente dita (nem sei se me interesso, sou contra "dietas"), mas o interessante é o que ele fala nas primeiras partes, sobre as "emoções" que sentimos ao ingerir certos alimentos e como conseguir essas mesmas "sensações" com alimentos mais saudáveis. No mais,
eu faço terapia há dois anos: não por causa disso, mas já cheguei a passar três sessões falando sobre MACARRÃO O.o

Entendo perfeitamente isso de descontar sentimentos na comida, pois engordei 10kg, coisa que nunca tinha me acontecido, justo depois de terminar um relacionamento. E como tinha resolvido diminuir consideravelmente a bebida e não podia mais descontar nas compras porque já tinha caído no cheque especial, o que me restou foi comer. Enfim, acho que quem tem muita dificuldade nesse sentido deve procurar ajuda, se não com um terapeuta, lendo sobre o assunto ou buscando grupos, mesmo virtuais, onde as pessoas passem pela mesma situação. Nesse caso, é bem mais provável que elas ajudem... diferente de alguns "amigos" nossos, que às vezes nem fazem por mal, mas simplesmente não nos entendem. Meus amigos dizem que eu tô ótima, mas quando emagreço dizem que, nossa, eu tô linda, fininha... quer dizer. EU sei que eu não tô bem do jeito que eu tô, preciso perder mais 6 kg para voltar ao peso saudável e mais 4 kg para chegar onde eu realmente quero - no total, 10 kg. Isso é uma coisa que a gente tem que fazer POR NÓS mesmas, e PARA NÓS. :)

lu Santos disse...

Oi Larissa, tenho tentado pensar dessa forma, realmente emagrecer depende só de mim, mas ultimamente ando meio chateada pois tudo estava indo bem perdi 9 quilos nos dois meses anteriores, mas agora, três semanas e não consigo eliminar nada.passei aqui pra pegar um pouquinho da sua força.Obrigado

Anônimo disse...

Larissa, tem que pensar que Deus está conosco e Ele pode nos ajudar no quesito "emagrecimento". Não depende apenas de nós. A gente faz uma metade e Deus faz a outra (nos dando força na hora de resistir a uma tentação gastronômica, nos dando força nos exercícios físicos).
Beijos

Ci disse...

Oi Lari!
Fico feliz q tem esta conciencia e tomou atitude! Talvez dos quatro problemas a serem resolvidos este eh o mais te incomoda e a ja eu me refugio na comida pois so ela me conforta nesta escuridao q eh. As consequencias de uma ectopica....espero um dia evoluir e pensar como vc!
Parabens por essa iniciativa conciente!
Bjim

Anônimo disse...

sempre falo isso: emagrecer só depende de mim! Aqui a vida não pode me vencer, me derrubar. Qd tudo chega ao fim do polo é qd eu entro em melhor forma. É o meu limite de entrega! Mari

Anônimo disse...

ôh Larissa que bom que vc retornou a sua RA. Meu principal problema de ser gorda é não viver também, e essa sensação de não estar vivendo é horrível demais.

Gigi Linardi disse...

Larissa,

Venho acompanhando seu blog há tempos, mas só hoje tomei a iniciativa de escrever.
Vc tocou num assunto em que eu comento bastante no meu blog "Em Busca do Corpo Ideal": Cada um de nós é responsável pela própria busca do seu corpo ideal. Não podemos ficar pondo a culpa no outro ou querendo que o outro repare. Tenho certeza que todas nós, por sermos, ou já termos sido gordinhas, já levamos muitos "tapas na cara" da vida, justamente por não estarmos enquadradas no padrão de beleza exigido pela sociedade. Temos que unir todas essas dores e fazer delas nossa motivação, para pararmos de vez com essa fuga, essa ansiedade maldita...aí sim, nosso prazer deixará de ser o chocolate e será o espelho.

Um grande beijo a todas!

Anônimo disse...

Larissa...me identifiquei muito com seu blog...sou ansiosa desde que nasci com 6 meses e meio e sempfe descontei minha ansiedade na comida...mas no dia seguinte voltava a me controlar ou passava algumas horas na academia para compensar, o que adoro fazer.Na gravidez do meu segundo filho que agora esta com seis meses engordei 30 quilos e cheguei aos 94 kg,e a 5 mexes mantenho meus 78 kg,não estou trabalhando e também nao consigo arrumar tempo para ir a academia, não consigo fazer nada que gosto e estou descontando na comida, também nao sei onde encontrar motivação para mudar.